Mosquito criado em laboratório combaterá a dengue

1
271

O município de Jacobina, na Região do Piemonte da Chapada Diamantina, a 330 quilômetros de Salvador, é o primeiro no mundo a experimentar o uso de mosquitos Aedes aegypti criados em laboratórios para o combate a dengue, chikungunya e Zika Virus. A experiência, inédita está sendo bancada pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) em parceria com a empresa Moscamed, única biofábrica de insetos do Brasil, localizada no município de Juazeiro, distante 512 da capital.

Os Aedes aegypti transgênico  está sendo criado em viveiros específicos em Juazeiro, mas já foi testado, desde a o início da semana em Jacobina no combate ao seu similar transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya, com resultados que comprovam uma eliminação de mais de 80% dos transmissores originais da doença. A técnica consiste em liberar o inseto criado em laboratório para que ele fecunde as fêmeas originais do Aedes aegypti, que, que produzem as lavras transmissoras das três doenças. As larvas resultanbtes desse cruzamento, após serem produzidas, morrem de imediato em contato com o meio ambiente.

Segundo explicou o secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas,  a pesquisa inédita que está sendo bancada pela Sesab é única no mundo e imediatamente após Jacobina, deverá ser experimentada em outras 20 cidades baianas, incluindo Salvador, onde de janeiro até ontem tinham sido notificados 7.016 casos de dengue. Ainda segundo Vilas- Boas,  o próprio Ministério da Saúde já se mostrou interessado na pesquisa para poder aplicá-la em outros estados.

Até ontem a Bahia tinha registrado 67.599 casos suspeitos de dengue, um aumento de 186,8% em relação a igual período do ano passado, quando foram registrados 23.570 casos suspeitos da doença.Além dos casos já registrados, outros 32.920 casos ainda aguardam análises da Secretaria Estadual da Saúde, o que eleva o número total para mais de 100 mil.

Ineditismo
No último dia 21 o secretário Fábio Vilas-Boas visitou as instalações da empresa Moscamed emJuazeiro para garantir apoio ao projeto de criação de mosquitos Aedes aegypti transgênicos. A pártgir da garantia do aporte de recursos da ordem de R$ 4 milhões do Governo do Estado para a continuidade das pesquisas, os resultados dos trabalhos deverão ser apresentados, na próxima semana, ao ministro da Saúde, Marcelo Castro, para que seja incluído na estratégia nacional de combate às arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypiti, tais como dengue, chikungunya e zika.

Além de Jacobina, Salvador e outras cidades, totalizando 20 em todo o Estado, deverão começar a receber as primeiras levas dos  mosquitos Aedes aegypti criados em laboratórios. “Vamos nos reunir com representantes da área de saúde desses municípios e traçar as estratégias de ação. Mas já se sabe da eficácia do trabalho  que produz um índice de letalidade das larvas transmissoras das doenças acima de 80%’, disse Vilas-Boas.

O secretário disse ainda que está sendo elaborado um cronograma para expansão do projeto, iniciado na cidade de Jacobina, para identificar, nos municípios, os locais de maior incidência do mosquito, a fim de que haja liberação dos mosquitos transgênicos e redução da população selvagem.

“Temos a convicção de que estratégias alternativas de combate ao mosquito devem ser estimuladas, pois ele se tornou a principal ameça à saúde pública do país, visto que é vetor de transmissão da dengue, chikungunya e zika”, ressalta .

De acordo com a superintendente da Moscamed, Carla Santos, o projeto atualmente encontra-se em fase de manutenção da colônia e monitoramento em campo. O projeto busca reduzir significativamente a população do  mosquito  Aedes aegypti silvestre, utilizando tecnologia de ponta. A iniciativa busca fazer com que as fêmeas do Aedes silvestre, ao cruzar com os transgênicos machos, gerem mosquitos estéreis ou que morram antes de chegar à fase adulta. Atualmente, a biofábrica  Moscamed, em Juazeiro, tem capacidade de produzir de 4 a 5 milhões de mosquitos por semana, o que é suficiente para controlar uma área do tamanho do município de Jacobina, onde o experimento vem sendo feito.

Campanha será intensificada a partir da próxima semana

A partir da próxima semana a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab)vai intensificar as campanhas de conscientização da população em todo o estado no combate ao agente transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus, o mosquito Aedes aegypti. A idéia é utilizar de forma mais contundente as peças publicitárias para chamar a atenção da população para a gravidade da situação, que tende a piorar no verão, por causa da proliferação de criatórios do mosquito.

Até ontem, segundo a Sesab, tinham sido informados pelas unidades de saúde e registrados 67.599 casos suspeitos de dengue no Estado da Bahia. Destes, 15.944 foram classificados como dengue, 43 como dengue com sinais de alarme, 30 como dengue grave e 18.662 foram descartados. Ainda estão sem classificação 32.920 casos que têm alguma semelhança com a dengue.  No mesmo período de 2014 foram notificados 23.570 casos de dengue, o que corresponde a um aumento de 186.8%.

Os dez municípios com os maiores números de casos notificados em 2015, até o momento, são: Salvador (7.016), Itabuna (6.015), Ilheus (5.350), Luis Eduardo Magalhaes (2.762), Feira de Santana (2.628), Simoes Filhos (2.430), Jequie (2.051), Serrinha (1.806), Jeremoabo (1.266) e Araci (1.210). A maior incidência das três doenças ocorre em indivíduos que estão entre as faixas etárias de 18 e 45 anos, com mediana igual a 31 anos.

Na Bahia, a maior epidemia de dengue ocorreu em 2009, quando foram registrados mais de 123 mil ocorrências. Embora o número de casos tenha reduzido nos anos seguintes em relação a 2009, desde então tem-se registrado mais de 50 mil casos de dengue a cada ano, confirmando a dengue como um dos principais problemas de saúde pública do Estado.

Microcefalia
De acordo com a Sesab, a Bahia  já registro 13 casos de microcefalia este ano. No último dia 13, contudo,  nove novos casos da doença foram registrados em filhos de gestantes com relato de casos zika vírus, sendo 03 em Salvador, 01 no município de Itabuna, 01 em Santa Terezinha, 01 em Porto Seguro, 01 em Madre de Deus, 01 em Lauro de Freitas, 01 em Simões Filho.

Como se prevenir do Aedes aegypti
A única forma de evitar a dengue, a zika vírus e a chikungunya é combater o criatório de larvas produzidas pelo mosquito Aedes aegypti, único agente transmissor das doenças. Elas se reproduzem em água parada, sendo o momento mais propício o verão, por causa da associação com o calor..

* Mantenha bem tampados: caixas, tonéis e barris de água.
* Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada.
* Não jogue lixo em terrenos baldios.
* Se for guardar garrafas de vidro ou plástico, mantenha-as sempre com a boca para baixo.
* Não deixe a água da chuva acumular sobre a laje e calhas entupidas.
* Encha os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda.
* Se for guardar pneus velhos em casa, retire toda a água e mantenha-os em locais cobertos, protegidos da chuva.
* Limpe as calhas com freqüência, evitando que galhos e folhas possam impedir a passagem da água.
* Lave com freqüência, com água e sabão, os recipientes utilizados para guardar água, pelo menos uma vez por semana.
* Os vasos de plantas aquáticas devem ser lavados com água e sabão, toda semana. É importante trocar a água desses vasos com freqüência.
* Piscinas e fontes decorativas devem ser sempre limpas e cloradas.
* Sempre que possível evite o cultivo de plantas  que acumulem água em suas partes externas.Combata o mosquito da Dengue, pois ele também transmite a Chikungunya e o Zika vírus.

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here